Aprendendo sobre o vinho

Para quem quer saber mais
Para os enófilos iniciantes, o leque de opções é grande, variando desde os cursos de iniciação ao mundo do vinho que estão hoje por toda a parte até as degustações dirigidas por grandes conhecedores, produtores e sommeliers. A SBAV (Sociedade Brasileira de Amigos do Vinho), por exemplo, que foi criada em 1980, promove cursos desde básicos até avançados e ainda muitos eventos relacionados ao vinho, como viagens a regiões vinícolas e diversas interações entre a bebida, a comida e a cultura. A ABS (Associação Brasileira de Sommeliers) também oferece cursos recreacionais.

Os que estão começando devem ter em mente que será necessário algum tempo de estudo a seco para entender um pouco da história, geografia, evolução e preparo da bebida – só o suficiente para dar uma base sobre aquilo que vai ser degustado. Depois de um curso básico é importante buscar as degustações dirigidas e até mesmo formar um grupo próprio de estudo – uma confraria, por exemplo -, que, além de ser uma reunião muito agradável, possibilita a troca de impressões e o compartilhamento de garrafas de valores e procedências diversas, sem que isso pese demais no bolso.

Outra opção para essas degustações (em que é possível encontrar apreciadores de todos os níveis) são as lojas, restaurantes e importadoras que as promovem para seus clientes. O objetivo é vender mais, no entanto esses encontros possibilitam o conhecimento dos rótulos diferenciados e, muitas vezes, uma benéfica aproximação com os produtores. É uma prática na qual os dois lados se beneficiam.

Para quem quer trabalhar
Já os que escolheram se dedicar ao serviço do vinho são os sommeliers, e embora muitos dos que ostentam esse título nunca trabalharam em um restaurante, essa formação foi a primeira (embora a profissão não seja reconhecida legalmente) a possibilitar a continuidade de estudo para os interessados no mundo do vinho aqui no Brasil.
Inicialmente, as salas eram cheias de garçons, maitrês e gerentes de alimentos e bebidas e somente alguns curiosos e vendedores. Hoje, a proporção é quase a mesma entre garçons, comerciantes e enófilos, fazendo com que os cursos se dividam em serviço do vinho e negócios, para que os dois grupos tenham suas necessidades de conhecimento bem atendidas.

Original: http://revistaadega.uol.com.br/artigo/vinho-na-escola_1245.html#ixzz51zYUU3k9

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *